A TRISTEZA DO JECA

“O caboclo é um funesto parasita da terra, inadaptável à civilização. O caboclo é uma quantidade negativa.” Essas afirmações estão num artigo chamado “Velha Praga”, que Monteiro Lobato publicou em 1914 no jornal O Estado de São Paulo. Fazendeiro em Taubaté, no Vale do Paraíba, Lobato estava inconformado com a preguiça e vagabundagem dos caboclos que empregava. Irritado, escreveu o tal artigo demolidor.

Veja este trecho:

“Este funesto parasita da terra é o CABOCLO, espécie de homem baldio, seminômade, inadaptável à civilização, mas que vive à beira dela na penumbra das zonas fronteiriças. À medida que o progresso vem chegando… vai ele refulgindo em silêncio, com o seu cachorro, o seu pilão

(…) de modo a sempre se conservar fronteiriço, mudo e sorna. (…) o caboclo é uma quantidade negativa.”

Imagine alguém escrevendo um artigo como esse nos dias de hoje, em pleno Brasil do Pobrismo? Seria imolado em praça pública, riscado do mapa, humilhado e ridicularizado, não é?

Pois bem. No livro que Lobato escreveu em seguida, Urupês, surgiram as raízes de um personagem histórico: Jeca Tatu, o caboclo feio, preguiçoso e vagabundo, que subverteu a imagem do bom caboclo brasileiro. Foi um tapa na cara do orgulho nacional. Até Ruy Barbosa, candidato a presidente, usou a imagem do caboclo de Lobato para tratar do descaso dos políticos com a população do campo. E na discussão que se seguiu, Monteiro Lobato tomou contato com o relatório “Saneamento no Brasil”, do sanitarista Belisário Pena. Ali estavam as provas de que o problema do caboclo não era a preguiça, mas a saúde. Sem saneamento básico a população do campo estava à mercê de doenças, entre elas a Ancilostomíase, o popular “amarelão”, causada por um verme parasita intestinal. Naquela época a maioria da população do campo fazia suas necessidades fisiológicas atrás de moitas. Carregados pelas fezes, os ovos do parasita liberavam no solo as larvas que entravam pela sola dos pés (naquela época 90% da população do campo andava descalça), alojando-se no corpo das vítimas e consumindo os nutrientes. Os caboclos estavam doentes, por isso eram feios e indolentes.

Percebendo a injustiça que cometera, Monteiro Lobato redime-se entrando de corpo e alma em ações de educação e criando o personagem Jeca Tatuzinho e o Almanaque do Biotônico Fontoura, que ensinou a milhões de pessoas as normas básicas de higiene. E na quarta edição de Urupês, ele escreveu:

“Eu ignorava que eras assim, meu caro Jeca, por motivo de doenças. Está provado que tens no sangue e nas tripas todo um jardim zoológico da pior espécie. É essa bicharada cruel que te faz papudo, feio, molenga, inerte. Tens culpa disso? Claro que não. Assim, é com piedade infinita que te encara hoje o ignorantão que outrora só via em ti mamparra e ruindade.”.

Texto de Luciano Pires recebido por email

Anúncios

Publicidade com gordinhas deixa mulheres deprimidas

Estudo revela que consumidoras passam a se achar mais gordas com propagandas plus-size

Para mulheres da pesquisa, campanhas como essa dos sabonetes Dove não trazem nenhuma modelo gordinha de verdade

Estudo feito pela Universidade de Arizona, no EUA, revela que consumidoras de publicidade em geral (revistas, anúncios de TV, etc) sentem-se mais insatisfeitas com seu próprio corpo ao ver modelos plus-size em evidência nos anúncios.

Difícil de acreditar? Pois é verdade.

A conclusão de que as mulheres passam a se achar ainda mais gordas quando veem propagandas desse tipo tem um motivo até que óbvio: para a indústria da moda ser gordinha é usar manequim 42, no máximo.

Não tem nada de “plus” nesse “size” aí, não acha?

Enquanto a intenção era fazer a mulher comum se sentir bem com o próprio corpo, parece que o resultado são mais mulheres deprimidas com a imagem refletida no espelho.

A publicitária Estela Rosa, manequim 46, concorda com o estudo.

– Abrir uma revista com um editorial “para gordinhas” e ver que elas estão bem próximas do considerado normal, faz eu me se sentir uma obesa. Se aquilo é ser plus-size, eu sou o quê? Extra large size?

Os pesquisadores afirmam ainda que as mulheres gordinhas só se sentem bem quando o anúncio não traz modelo alguma – nem magra, nem plus-size.

Já as mulheres que têm o peso normal se sentem mal com as modelos magras, mas se sentem piores ainda quando veem as plus-size.

Ronaldo manda torcedores do Corinthians se fuderem

Grupo xingou o atacante no estacionamento e atleta mostrou dedo médio

Cerca de uma hora depois de dizer que suportaria todas as críticas pelo mau momento do Corinthians, Ronaldo não conseguiu conter a sua irritação. O atacante mostrou o dedo médio para um grupo de 30 torcedores que o insultava no estacionamento da Arena Barueri, após a derrota por 1 a 0 para o Paulista, na noite da quarta-feira (24).

Os simpáticos torcedores do Corinthians claro responderam a altura

Assim que os torcedores se mobilizaram para protestar, a Polícia Militar formou uma barreira com escudos para proteger os jogadores do Corinthians. Todos estavam à espera principalmente de Ronaldo, que foi vaiado e chamado de “gordo” quando apareceu diante do portão.

Um corintiano mais exaltado gritou para Ronaldo:

– Você está roubando meu time.

Incomodado com as cobranças, o atacante fez o gesto obsceno para a torcida e entrou rapidamente em uma BMW preta.

O técnico Mano Menezes não se surpreendeu com o fim da idolatria de alguns torcedores por Ronaldo – outros chegaram a incentivar o jogador quando ele ainda estava em campo.

– A cobrança é feita na mesma proporção de quando somos elogiados. Às vezes, até somos endeusados, acima do que merecemos. Na má fase, as críticas vêm da mesma forma. A torcida pode até reclamar com frases injustas nesse momento, pois a paixão é assim. O torcedor está sentindo a nossa derrota.

Outros jogadores, contudo, foram apoiados pelos corintianos. O goleiro Felipe, o lateral esquerdo Roberto Carlos e o volante Jucilei ganharam aplausos quando apareceram diante do mesmo público que hostilizou o astro do time.

Vendas online somam R$ 10,6 bilhões em 2009

O comércio eletrônico fechou o ano de 2009 com balanço positivo. De acordo com a e-bit, empresa especializada em informações de e-commerce, o faturamento do setor foi de R$ 10,6 bilhões, um crescimento de 30% ante os R$ 8,2 bilhões de 2008. Dessa forma, a previsão de R$ 10 bilhões, feita pela empresa no começo do ano passado, foi superada.

Estas e outras informações fazem parte do estudo exclusivo da 21ª edição do Relatório “WebShoppers” realizado pela e-bit, com o apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net). Em 2010, as taxas de crescimento observadas no período anterior devem se manter altas. Estima-se que as vendas online para esse ano alcancem os R$ 13,6 representando mais de 30% de crescimento.

Um dos fatores que contribuem para a franca ascensão do e-commerce é a maior confiança dos consumidores em realizarem compras online. De acordo com o Índice de Confiança do e-consumidor, 86,3% das pessoas que fizeram compras pela internet durante todo o ano de 2009, sentiram-se satisfeitas.

Segundo o diretor geral da e-bit, Pedro Guasti, o comércio eletrônico projeta ainda mais crescimento, principalmente se levarmos em conta o número de adeptos das compras online em comparação com o total de internautas no Brasil: “O comércio eletrônico possui um imenso território a ser preenchido. Em 2009, foram 17,6 milhões de pessoas utilizando o canal para realizar suas compras, ou seja, 26% do total de internautas no País. Para 2010, esse número deve crescer ainda mais e alcançar 23 milhões.”

Os resultados das datas comemorativas no e-commerce também foram superiores aos obtidos em 2008. O Natal, mais uma vez, foi o período mais lucrativo para o setor, com R$ 1,63 bilhão, seguido pelo Dia das Crianças, que, pela primeira vez, ultrapassou o Dia das Mães em faturamento: R$ 450 milhões e R$ 440 milhões, respectivamente. Já o Dia dos Pais faturou R$ 437 milhões, enquanto o Dia dos Namorados registrou R$ 393 milhões em 2009.

Fonte: e-bit

Radar dedo-duro estreia nas estradas no feriado

Equipamentos que identificam atraso no IPVA e no licenciamento começam a operar até o fim do mês em 28 estradas de São Paulo

Um conjunto de 41 radares inteligentes, capazes de identificar se o veículo está com o IPVA e o licenciamento em dia, começa a operar até o fim do mês em 28 estradas paulistas.

A inauguração dos chamados “dedos-duros” coincide com o período de saída para a Páscoa, celebrada na sexta-feira da semana que vem.

Os equipamentos, que passam pelos últimos testes no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), também são capazes de averiguar se o veículo é roubado ou se foi utilizado em algum crime.

Um programa ligado aos aparelhos cruza as informações da placa com bases de dados de diversos órgãos estaduais. Se for constatado algum problema, policiais rodoviários abordam o veículo.

Segundo o Departamento de Estradas e Rodagens (DER), entre os locais em que serão instalados os radares estão o km 21 da Imigrantes, o km 9 da Anchieta, o km 35 da Raposo Tavares e o km 19 da Bandeirantes.

Fiscalização na capital

A fiscalização do trânsito também está mais intensa na capital. Desde sábado, radares que identificam veículos que furam o rodízio ou que têm problemas com documentos estão em cinco pontos das avenidas Cidade Jardim e 9 de Julho e da rua Teodoro Sampaio.

Chinês tenta suicídio sentando em legume mas deu pepino

Vítima achava que aquela era uma forma ancestral de se matar

Foto por Getty Images

É de pequenino que se torce o pepino?

Um chinês de Hong Kong, de 62 anos, foi levado às pressas para um hospital depois que sua filha o encontrou chorando de dor, sentando em meio a uma poça de sangue.

De acordo com que Ming Bao, a filha do cara, contou para a imprensa, seu pai estava tentando se matar e, por isso, lançou mão de um método ancestral chinês para tirar a própria vida – introduziu um pepino em seu orifício anal.

Quando ouviram esta história, os médicos acharam que era abobrinha, mas, quando perguntaram para o paciente como foi que o sangramento começou, ele repetiu a mesma ladainha a respeito do picles.

Sem perda de tempo, os médicos deitaram o homem – de bruços – na mesa cirurgia e conseguiram extrair a cucurbitácea do local inóspito em que estava alojada.

O homem – que para sua imensa sorte não teve seu nome revelado – passa bem e está em recuperação no hospital.

O pepino, entretanto, não sobreviveu ao procedimento.